Querido diario sou a Amália Rodrigues, prazer.
Neste momento és o meu melhor amigo, por isso é que te vou escrevendo toda a minha vida!
Quando a minha mãe me teve ninguém anotou o dia so o lugar (Rua Martim Vaz) que era, devido a isso até hoje ninguem sabe em que dia nasci, para os medicos e para os documentos oficiais nascia a dia 23 de Julho mas para mim nasci a 01 de Julho de 1920, para mim nao intressa o dia mas sim que foi na epoca das cerejas e do signo Leão.
Em 1921 quando fiz um ano os meus papas estavam com falta de dinheiro por isso deixaram-me em Lisboa com os meus avós da mamã da e voltaram para a sua Terra-Natal a Beira Baixa.
Boa noite Diario amanha volto a escrever-te.

Hoje foi o meu primeiro dia na escola, na escola Primaria da Tapada da Ajuda, e é muito bonita e grande, convidaram-me para a festa da escola que vai haver amanha e querem que cante.
É a premeira vez que o vou fazer para publico, estou cada vez mais nervosa.
Recebi uma carta dos meus papas eles dizem que vêm ver a minha festa o que ainda me deixa mais nervosa!
Quando os meus pais chegaram, disseram-me que vinham viver para cá mas queriam que continuasse a viver com os meus avós.
Boa noite Diario até amanha.
Setembro, 1929.

[...]

Os dias vao passando e estamos cada vez mais perto do final da escola primaria e a minha avó diz que estou a ficar uma "mulher" e por isso vai me ensinar a bordar.
Bem, já é tarde boa noite.

(passados dias)

Quando acabei a escola primaria, começei a trabalhar como bordadeira(1932)
Agora vou empregar-me na pampulha, aquela fabrica de bolos(1933)
O meu pai mandou me uma carta a dizar que em 1934 voltava para Lisboa e que eu e os meus irmaos iamos viver com ele para uma casa perto do rio Tejo.

[...]

Os nervos cada vez são maiores, apesar de ser para uma festa de beneficiencia é a primeira vez que vou cantar acompanhada de guitarra para o publico.
(1935)

[...]

Concorri ao Concurso "Rainha do Fado dos Bairros" em 1938, no qual não cheguei a participar pois as outras concorrentes ameaçaram-me desistir se concorrer, acabei por não participar.
Em 1939 estriei-me no Retiro da Severa, como fadista profissional, passei a ser cabessa de cartaz!
Um ano depois(1940) casei com Francisco da Cruz , casamento que durou 2 anos. Nesse mesmo ano, José Melo passou a ser o meu empresario tambem me estriei nos palcos.
O realizador António Lopes Ribeiro convida-me em 1941 para integrar o elenco do filme O Pátio das Cantigas, mas o maquilhador António Vilar disse que era pouco fotogénica e o meu papel acaba por ser atribuído a Maria Paula.
Cantei na Cervejaria Luso, recebendo um conto de réis por actuação, quantia que nunca tnha sido antes paga.
Fui tambem atracção da revista do Teatro Variedades Espera de Toiros, onde interpretei três fados. Do elenco faziam parte Mirita Casimiro e Vasco Santana.
Primeira actuação no estrangeiro foi em Madrid no ano de 1943, onde assisti a grandes espectáculos de flamenco, música com a qual me identifico. É a esta viagem que atribuio o prazer em cantar canções espanholas e flamenco.
Estreia no Teatro Apolo da revista Alerta Está!, onde actuei ao lado de Mirita Casimiro e Vasco Santana, interpretando quatro temas.
Separei-me do Francisco da Cruz e regressei para casa dos meus pais.